Governo quer atrair cientistas estrangeiros para atuar no Brasil

13/07/2011 18:58

 

Claudia Andrade
Direto de Brasília

O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, anunciou nesta quinta-feira que o governo abrirá um concurso para atrair cientistas internacionais para atuar no Brasil. Os especialistas estrangeiros vão ocupar vagas de brasileiros que estão se aposentando e, na visão do governo, vão ajudar a desenvolver "áreas estratégicas" no país. "Esse processo de renovação vamos fazer, evidentemente, com uma parte de profissionais do Brasil e uma parte de experientes pesquisadores e cientistas internacionais que estão disponíveis e motivados para vir para o Brasil".

Mercadante disse que na Europa e nos Estados Unidos muitos cientistas ficaram sem emprego por conta da crise financeira e que há interesse em vir atuar no Brasil. "Hoje é um momento raro na história econômica: o Brasil cresce, tem estabilidade, investe e estamos assistindo a uma recessão, uma crise, instabilidade nos países desenvolvidos. Nós tivemos uma diáspora de cérebros no passado, mas agora queremos atrair inteligência para o Brasil. E vamos fazer isso".

O ministro citou como exemplo de colaboração que um estrangeiro já deu para o desenvolvimento da ciência no Brasil o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). A escola de excelência foi administrada por um reitor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), de Cambridge, Estados Unidos. Mercadante disse que o Brasil trouxe o reitor há 60 anos e o ITA se tornou uma das melhores escolas de engenharia do Brasil.

Questionado sobre o espaço reservado aos cientistas brasileiros com esse projeto, Mercadante destacou a formação, que incluirá bolsas para graduação e pós-graduação "sanduíche", em que o estudante passa um ano em uma universidade no exterior e depois volta ao Brasil. "Evidente que a nossa prioridade é formar o cientista brasileiro. Setenta e cinco mil alunos brasileiros vão passar um ano nas melhores universidades do mundo", disse.

Segundo o ministro, o concurso para cientistas brasileiros será aberto ainda no segundo semestre este ano