GPTW 2011 apresenta o novo ambiente de trabalho nacional

25/08/2011 22:14

Para chegar às melhores empresas, o GPTW analisou 923 candidatas e avaliou questionários preenchidos por 1,4 milhão de funcionários

 

A estudante Giulia Figueira Angelucci está no 3º ano do curso de administração de empresas da Universidade de São Paulo (USP). Aos 20 anos, ela busca seu primeiro estágio. Apesar de entrar agora no mercado profissional, ela já definiu em sua cabeça os critérios para selecionar onde quer trabalhar. “Procuro grandes empresas que tenham preocupação em melhorar o mundo”, diz. Giulia afirma que aceitaria trabalhar por pouco. “Mas só em uma empresa que ofereça oportunidade de crescimento.” Também diz que acha saudável a competição acirrada dos processos de estágio. “Ela impulsiona cada candidato a dar o melhor de si, assim como a remuneração por metas.”

A clareza das ideias de Giulia impressiona. Ela não é a única assim. Faz parte de uma geração que se formou vendo as empresas brasileiras investindo em pacotes de benefícios, montando programas de apoio à educação e criando sistemas de bonificação. Esses jovens aprenderam que as companhias, na busca por profissionais talentosos, bem formados e engajados, estão prontas para oferecer até alguns mimos, como cursos de ioga. Em troca, essas empresas querem uma equipe criativa para os tempos de euforia e bem-disposta para enfrentar momentos difíceis. Essa evolução do mercado de trabalho foi acompanhada pela consultoria Great Place to Work (GPTW), que há 15 anos elege as melhores empresas para trabalhar no Brasil em parceria com ÉPOCA. Neste ano, fizemos um levantamento de como o cenário evoluiu entre as empresas campeãs. A proporção de funcionários com nível superior foi de 20%, em 1997, em comparação a 39%, em 2011. E a porcentagem de profissionais que se dizem satisfeitos com a carreira cresceu de 74% para 84%.

O melhor retrato desse novo ambiente de trabalho nacional é o que você encontra nesta seção. Ela apresenta as 100 melhores empresas entre as grandes (com mais de 999 funcionários) e as multinacionais. Também mostra as 30 melhores entre as pequenas e médias. Esse grupo seleto de empresas representa um bom pedaço da economia nacional. Juntas, elas faturam R$ 760 bilhões ao ano e empregam 532 mil pessoas. Para chegar às melhores empresas, o GPTW analisou 923 candidatas e avaliou questionários preenchidos por 1,4 milhão de funcionários. O resultado é um guia útil para você avaliar a empresa onde trabalha hoje ou buscar uma nova oportunidade profissional.

Fonte: Epoca