Ninguém apareceu: Trem-bala brasileiro poderá sair pela culatra

13/07/2011 19:37

 

 

Foto: Ilustração/Google

Foto: Ilustração/Google

Leilão do trem-bala não recebe propostas e governo diz que vai dividir licitação

 

 

Brasília/DF O processo de licitação do trem de alta velocidade, que vai ligar o Rio de Janeiro a São Paulo, não recebeu proposta alguma, segundo a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). O prazo para que as empresas interessadas na concorrência apresentassem propostas na BM & F Bovespa, em São Paulo, venceu hoje (11), às 14h.

Depois da ausência de propostas para o leilão do trem de alta velocidade, o governo decidiu fatiar a licitação do projeto em duas etapas: a primeira vai definir a tecnologia e o operador do trem-bala e a segunda escolherá a empresa responsável pela construção do projeto.

O diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Bernardo Figueiredo, disse que as empresas estrangeiras detentoras da tecnologia não conseguiram formar consórcios com empreiteiras, o que levou ao fracasso do leilão. Com a divisão do edital, o governo espera um aumento de competitividade na licitação, principalmente para a escolha da tecnologia e do operador.

As empresas que têm as tecnologias não conseguiram formar alianças com empresas nacionais. O mercado brasileiro se fechou para as tecnologias, tínhamos seis grupos de tecnologia interessados, mas que não tinham interlocução com a construção civil. Houve fechamento do mercado a essas alianças e isso dificultou o processo, avaliou. Agora vamos separar a operação das obras, completou.

Apesar da divisão, Figueiredo disse que não houve descaracterização do projeto inicial do trem-bala. Não vamos ficar desfigurando o projeto para atender os interesses de A, B ou C.

A empresa que vencer a primeira etapa vai definir a infraestrutura necessária para a operação do trem-bala, mas o processo licitatório para escolha das construtoras será conduzido pela ANTT. O operador vai detalhar o projeto executivo, mas o governo pode estabelecer limites para mudanças. Na etapa das obras, o governo deverá dividir o projeto em trechos.

Ainda não há prazo para os novos leilões, mas a primeira etapa deve ser feita ainda este ano, segundo Figueiredo. A previsão é que o edital para escolha do consórcio operador seja publicado entre setembro e outubro. De acordo com o diretor da ANTT, a mudança não deve alterar significativamente o cronograma da obra, que deve começar no início de 2013.

A divisão da licitação também não deve mudar o custo estimado do projeto (de R$ 33 bilhões), nem as condições de financiamento oferecidas pelo governo, que incluem uma linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de cerca de R$ 20 bilhões e mais R$ 3,4 bilhões de investimento direto. Não haverá nenhuma mudança nos estudos técnicos e econômicos, disse o diretor da agência.

O trem-bala vai ligar as cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas. No total, serão 510 quilômetros de percurso. Segundo Figueiredo, alguns trechos do projeto poderão estar prontos a tempo das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. (Agência Brasil com adaptações)