A marcha nossa de cada dia

A marcha nossa de cada dia

  

A marcha nossa de cada dia.

 

A marcha é uma tarefa funcional, mas extremamente complexa, envolve o equilíbrio muscular e articular, acontece durante um ciclo que é denominado ciclo da marcha.

 

Para cada pé o ciclo da marcha apresenta duas fases:

FASE DE APOIO – 60 A 65% DO CICLO – ocorre quando o pé é apoiado no solo, ocorrendo à sustentação do peso, possibilitando o avanço do corpo sobre o membro inferior que está sustentando o peso.

Essa fase de apoio é dividida em cinco fases

 

FASE DE BALANÇO – 30 A 40% DO CICLO – ocorre quando o pé não sustenta mais o peso se movendo para frente levando o corpo.

Essa fase de balanço é dividida em três períodos

 

Para que esse controle ocorra é necessário um equilíbrio muscular, entre os músculos acionadores, estabilizadores e desaceleradores.

Os músculos eretores da coluna elevam a pelve e os glúteos estabilizam o quadril, os flexores de quadril iniciam o movimento, ocasionando um pendulo nos músculos da coxa e perna.

O quadríceps é bastante exigido durante a marcha, assim como os abdominais, ísquios tibiais, gastrocnêmicos, solear, psoas e quadrado lombar. Podemos observar que todos os músculos são importantes durante a marcha.

                           

 

Quando pisamos de uma maneira errada alteramos todo esse ciclo fazendo com que a distribuição do peso ocorra de maneira errada sobre os músculos e articulações, ocasionando muitas vezes lesões articulares, dores musculares e até mesmo desvios posturais. O impacto produz vibrações de alta freqüência e isso é prejudicial à saúde, porque atingem a estrutura musculoesquelética, ocorrendo tendinites e fraturas por estresse.

As principais lesões são:

Tendinites plantares e de calcâneo – dores na região posterior da panturrilha principalmente na região do tendão (tendinite de calcâneo). Dores na região da sola do pé principalmente quando faz a descarga de peso sobre ele (tendinites plantares).

Tendinite de Calcâneo                          Fasceite plantar

 

 

Fraturas por estresses – acontecem por causa de esgotamento muscular excessivo e falta de absorção de impacto.

 

Lesões nos joelhos e tornozelos – nos joelhos as lesões mais comuns são de menisco, ligamentos e desvio da patela. A pessoa que tem uma pisada errada distribui erradamente o peso sobre as articulações, no tornozelo o mais comum são os entorses.

 

 

Lombalgias – dores lombares afetam a parte inferior das costas em qualquer lugar abaixo das costelas, constituída por cinco vértebras mais o sacro (cinco ossos unidos entre si), estabelece a conexão da parte superior e inferior do corpo e suporta a maior parte do nosso peso. O uso adequado de um tênis que absorve impacto é muito importante na prevenção de dores nessa região.

 

Como já foi dito no texto anterior pela personal Tatiana Pitta, o tipo de tênis e seu tempo de uso influenciam na causa de lesões durante a atividade física.

 

O que diferencia os tipos de pisadas é a maneira que o calcanhar toca no chão e "rola" até que o corpo seja impulsionado pela ponta dos pés.

 

 Para uma análise precisa da sua pisada, consulte um médico ortopedista ou especialista em biomecânica.

 

Se você quiser saber mais sobre desequilíbrio e melhorar sua qualidade de vida veja meu blog:

Dra- Cristiane Lopes da Silva Fisioterapeuta especialista em medicina chinesa.

http://acupunture-se.blogspot.com