Cão tem face arrancada por fogos de artifício, na Bósnia

Cão tem face arrancada por fogos de artifício, na Bósnia

Dois adolescentes embriagados na Bósnia resolveram 'se divertir' colando fogos de artifício na uma boca de um cão Pastor Alemão e explodindo em seu rosto. Tendo feito isso, tiraram, e deixaram a criatura indefesa a sofrer. O pobre cão, conhecido como Vucko, aparentemente agonizou por cinco dias, incapaz de comer. Finalmente, ele foi apanhado pelas autoridades e levado para o consultório de um veterinário, mas teve que ser sacrificado após os veterinários terem sido incapazes de realizar a cirurgia reconstrutiva.

Clique aqui para ver algumas imagens de Vucko sendo examinado por veterinários na mesa cirúrgica. As imagens são fortes. Note a cápsula do fogo de artifício ainda encaixada na cabeça do cão.

A morte de Vucko morte não pode ser em vão. Esta tragédia é uma oportunidade perfeita para promover a conscientização do abuso de animais na Bósnia, onde os direitos dos animais são praticamente inexistentes, e trabalhar para evitar que qualquer um venha a cometer crimes horríveis como este no futuro.

Veja aqui mais fotos de Vucko (alerta: imagens fortes).

Bósnia: um país sem leis para os animais

Vucko sendo examinado na mesa cirúrgica (Foto: Care2)Vucko sendo examinado na mesa cirúrgica (Foto: Care2)Segundo reportagem do Institute For War & Peace, em um país que esteve ocupado com a guerra étnica selvagem até há pouco tempo atrás, poucos parecem ter tempo ou energia emocional para considerar o bem-estar animal.

Nem os tribunais são capazes de fornecer orientação para as autoridades quanto aos animais. A Bósnia não tem uma lei distinta ou um estatuto sobre crueldade com animais.

A humilhação de animais para entretenimento público é rotina na Bósnia. Uma reportagem na televisão em outubro passado, por exemplo, contou a história de um dono de restaurante no Monte Vlasic, que manteve um urso enjaulado para divertir seus convidados.

O absurdo que este homem cometia era intoxicar o animal com licor todos os dias na frente dos clientes, alegando que o urso 'simplesmente adorava'."

 

 

Fonte: Apipa