Celular pode provocar câncer cerebral. Ou não

Celular pode provocar câncer cerebral. Ou não

Estudo mostra que celular aumenta em até 27% a incidência de tumores. Mas os cientistas dizem que isso não prova nada

 

A radiação eletromagnética emitida pelos celulares traz risco à saúde? Há duas décadas esse enigma desafia os cientistas. E o maior estudo já feito sobre o assunto, que avaliou 14 mil pessoas em 13 países ao longo de 10 anos e acaba de ser concluído, trouxe as seguintes respostas: sim. Não. Talvez. O estudo, que foi realizado pela Organização Mundial da Saúde, está gerando polêmica na comunidade científica. Isso porque apontou que há associação entre o uso de celular e dois tipos de câncer. Mas com um porém.

O estudo constatou que, no grupo de pessoas que tinham usado o celular durante pelo menos 1 640 horas - o equivalente a meia hora de uso por dia durante 10 anos -, havia 15% mais casos de glioma e 27% mais de meningioma (dois tipos de câncer cerebral). Mas os cientistas dizem que isso não prova nada. "Os dados são imprecisos", declarou Daniel Krewski, biólogo da Universidade de Ottawa e um dos autores da pesquisa. Ele diz que o estudo não avaliou número suficiente de pessoas, e que os portadores de tumores podem ter reportado uso de celular superior ao real - o que teria distorcido os números, criando uma falsa elevação do risco de câncer.

Mas nem todos os pesquisadores aceitam essa explicação. "O estudo da OMS confirmou as descobertas, feitas por vários grupos, de que o celular aumenta o risco de câncer no cérebro", diz o oncologista Lennart Hardell, da Universidade de Orebro (Suécia). Seja como for, os cientistas da OMS querem fazer mais pesquisas. O próximo estudo a respeito pretende avaliar 350 mil usuários de celular - e só será concluído daqui a 20 anos.

 

 

Fonte:Bruno Garattoni