É mais barato ter um carro ou andar de táxi?

É mais barato ter um carro ou andar de táxi?

Quase sempre, o carro - a não ser que você não saia do quarteirão

Com esta resposta, inauguramos a campanha: "Abaixem o preço da corrida, taxistas". Ter um carro é um luxo. Gasta-se com gasolina, seguro, IPVA, manutenção e, muitas vezes, estacionamento. Ainda assim, se você andar mais de 20 quilômetros por dia, o carro é a opção mais barata em todas as capitais brasileiras. Em cidades onde o táxi é ainda mais caro, como Curitiba, mal dá para dar a volta no quarteirão - passou de 5 quilômetros ao dia, o carro já compensa. Ruim pro planeta, ruim pro trânsito e pior pros táxis, que perdem clientes.

Para determinar quanto se paga por uma corrida de táxi, as cooperativas levam em conta o valor da gasolina, a manutenção do veículo e as taxas para regulamentar o automóvel. Quase as mesmas coisas que o motorista comum paga no carro próprio. O preço varia de capital para capital porque acompanha o custo de vida de cada região. Por que, então, andar de táxi é tão mais caro do que andar de carro? "Não pode haver concorrência direta com outros meios de transporte", explica o presidente do Sindicato de Taxistas de Porto Alegre, Luiz Nozari. Ou seja, são o meio de transporte mais caro porque assim o querem.

Não vou de táxi

São Paulo
Pasmem, entre as principais capitais, São Paulo tem o litro de gasolina mais barato: R$ 2,46, em média. O estacionamento é caro, mas ainda assim vale a pena investir num carro popular.

Rio de Janeiro
O Rio tem a menor diferença entre carro e táxi porque os cariocas pagam muito por um carro. Junte isso a uma bandeira barata, e tem-se a melhor condição para andar de táxi.

Curitiba
Taxista, vá à Curitiba, a bandeira mais cara do Brasil. Já o carro lá é barato. Por exemplo, o curitibano que paga à vista e no prazo o imposto sobre o veículo pode ter um desconto de até 5%.



Fontes Porto Seguro Seguros, Colliers, Autopark, Secretarias da Fazenda dos estados brasileiros, taxi.com.br, taxistas paulistanos.

 

Fonte : Material enviado por Glauco Aparecido - Caruaru - PE