Montagens de quatro nacionalidades exibem tendências e estilos do teatro contemporâneo no palco do CCBB

 

Há seis anos, Brasília e Londrina estabeleceram uma sólida ponte quanto o assunto é teatro. Esse é o período em que um dos mais importantes festivais do gênero, o Festival de Teatro de Londrina (Filo), compartilha parte de suas atrações com a plateia brasiliense. O braço local da mostra paranaense, batizada de Mostra Internacional de Teatro (MIT), inicia nesta quinta-feira (8/6) sua programação, que segue até 26 de junho, no Centro Cultural Banco do Brasil, e conta com quatro espetáculos, provenientes da Argentina, Portugal, Finlândia e Alemanha. "A parceria tem dado bastante certo. Temos tido repercussão positiva do público e do próprio CCBB. A mostra já está consolidada no calendário da cidade", acredita Luiz Bertipaglia, responsável pela curadoria dos eventos.

A mostra, que já trouxe nomes de peso do teatro internacional, como o diretor britânico Peter Brook e Odin Teatret, companhia de Eugeniko Barba (Dinamarca), tem por princípio misturar estilos e não se prender a nenhum tema específico. "Em Brasília, seguimos a linha do Filo, de incluir todas as formas de manifestação teatral, permitindo a diversidade de propostas e estilos", afirma Bertipaglia.

Além de Brasília, a cidade de São Paulo também receberá artistas do festival paranaense. Em edições anteriores, a mostra internacional também levou uma fatia do evento ao Rio de Janeiro.

A peça que inaugura a programação, em cartaz de hoje a domingo, é Amar, do argentino Alejandro Catalán, referência em Artes Cênicas na América Latina e responsável pela formação de uma infinidade de atores portenhos. Na montagem selecionada para o festival, ele oferece uma atuação crua e real, em um espetáculo de texto e atores, em que eles mesmos iluminam a cena, revelando o jogo teatral aos espectadores. "Ele aposta em um trabalho de dramaturgia, direção e atuação, com texto contundente, geralmente sobre relacionamentos. A iluminação experimental que ele propõe já ganhou prêmios", afirma o curador