O que se passa na cabeça dos jovens?

O que se passa na cabeça dos jovens?

Um artigo publicado no último mês pela Escola de Medicina de Harvard tentou responder essa pergunta da maneira mais médica possível. Várias peculiaridades do comportamento dos jovens podem ser explicadas pelo modo como o cérebro deles está se desenvolvendo. Veja abaixo o que os neurocientistas estão dizendo:

1 – Os cérebro adolescente está só 80% desenvolvido

Técnicas de visualização como ressonância magnética funcional mostram que os neurônios estão rapidamente formando novas conexões durante a adolescência, mas que ainda não tem tanta interconectividade quanto um cérebro adulto. É uma vantagem em termos de aprendizado: os jovens conseguem assimilar mais facilmente novas informações e se adaptar a novos estímulos. Por outro lado, a densidade dessas novas conexões muda em cada região do cérebro, criando alguns comportamentos peculiares, como veremos a seguir.

2 – A primeira parte a amadurecer é a da coordenação motora

O cérebro se desenvolve de trás para frente. As regiões responsáveis pelo controle de movimento e locomoção – localizadas próximas a parte posterior – se desenvolvem rapidamente, o que explica a habilidade que jovens logo adquirem para esportes, dança, controle de instrumentos e tarefas que exijam coordenação motora.

3 – A última parte a se desenvolver é a do planejamento.

O lobo frontal – a região do cérebro associada a processos cognitivos como planejamento, tomada de decisões e análise de riscos – é uma das últimas regiões a amadurecerem. Alguns pesquisadores acreditam que seu desenvolvimento pode durar até os 30 anos. Em adolescentes, a maturação dessa parte pode ser pouco diferente da de algumas crianças.

4 – A de controle de prazer também se desenvolve rápido

Cientistas da Universidade de Emory, nos Estados Unidos, afirmam que os circuitos de recompensa nos jovens são hiperativos se comparados ao de adultos. Outra pesquisa mostrou que a atividade no núcleo acumbens – uma peça chave dos sistema de recompensa do cérebro – é equivalente a de adultos. Essas descobertas parecem explicar a busca por atividades de risco, como abuso de drogas, direção perigosa e sexo sem proteção: eles procuram o prazer, sem ainda conseguirem calcular os riscos associados a eles.