Obesidade nem sempre é sinal de doença, dizem pesquisadores

Obesidade nem sempre é sinal de doença, dizem pesquisadores

Equipe canadense afirma que pessoas que estão acima do peso podem ser saudáveis. Estudo sugere uma nova classificação dos níveis de obesidade

Obesidade, diabetes, colesterol, pressão alta. A associação dessas palavras é inevitável no mundo atual. Médicos alertam para uma “epidemia de obesidade”. Mas pesquisadores da Universidade de York, no Canadá publicaram na revista "Applied Physiology, Nutrition and Metabolism" um estudo no qual afirmam que as pessoas acima do peso podem ser saudáveis, viver tanto quanto as magras e ser menos propensas a desenvolverem problemas cardiovasculares.

O estudo foi realizado com seis mil americanos obesos durante 16 anos e compararam seu risco de mortalidade com o de indivíduos magros. "Nossos resultados questionam a ideia que todos os obesos precisam perder peso", diz Jennifer Kuk, professora da Universidade de York e autora principal do estudo.

De acordo com Jennifer, tentar perder peso e fracassar pode ser pior que manter um elevado peso corporal e levar um estilo de vida saudável, que inclua atividade física e dieta equilibrada com muita fruta e verdura.

Os pesquisadores utilizaram o sistema de classificação da obesidade de Edmonton (EOSS, na sigla em inglês) que, segundo afirmam, é mais confiável que o cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC) baseado no peso e na altura, e que aquele que mede a circunferência da cintura.

O novo sistema, desenvolvido pela universidade canadense de Alberta, estabelece cinco fases da obesidade, levando em conta, além do IMC e do tamanho da cintura, parâmetros clínicos que indicam a presença de doenças frequentemente agravadas pela obesidade, como diabetes, hipertensão e problemas coronários.

Embora um índice elevado de IMC esteja relacionado com um maior risco de doenças relacionadas com a obesidade e de mortalidade, essa é uma medida indireta que não distingue entre tecido gorduroso e magro.

Segundo Jennifer, para saber se devem ou não perder peso, as pessoas deveriam consultar um médico que as avalie de acordo com os critérios do EOSS.

 

Fonte:ÉPOCA, com Agência EFE