Por que medidas de roupas não são padronizadas?

Por que medidas de roupas não são padronizadas?

A indústria tenta encaixar as pessoas em tamanhos preestabelecidos. Mas agora as medidas vão mudar. E você vai precisar saber até o tamanho do seu pescoço.

 

Estatura, quadris e outras medidas variam de país para país. Por isso, um casaco 38 na Alemanha é 12 nos Estados Unidos e 40 no Brasil. Mas de onde vieram esses números? Em 1968, a ISO, entidade que coordena padronizações, determinou que as medidas de roupas deveriam ser proporcionais aos biótipos de cada país. Assim, cada lugar usa uma fórmula. No Brasil, o número da calça feminina é a metade do comprimento do quadril subtraída de 8 (96 cm de quadril? O tamanho é 40). Mas isso não significa que exista uma padronização dentro do país. Maria Adelina Pereira, superintendente do Comitê Brasileiro de Têxteis e do Vestuário, da Associação Brasileira de Normas Técnicas, afirma que, na média, o mundo engordou, mas a numeração se mantém. As fábricas aumentam aleatoriamente a modelagem, por isso é comum o tamanho de um jeans variar conforme a marca. Só um detalhes: essa bagunça vai acabar.

 

Mudanças no P, M e G
Para padronizar os tamanhos, a indústria está mudando as etiquetas. Entenda.

CAMISA MASCULINA
ANTES: O perímetro do pescoço era a medida referencial. Homens com 38 cm usam camisas número 38 ou P.
DESDE FEVEREIRO: Além do P e do 38, a etiqueta informa perímetro de tórax, comprimento do braço e estatura.

CALÇA MASCULINA
ANTES: A medida referencial era o perímetro da cintura. Homens com 84 cm de cintura usam número 42.
DESDE FEVEREIRO: Há mais 3 medidas: perímetro da cintura, comprimento entrepernas (medido na parte de dentro das pernas) e estatura.

VESTIDO
ANTES: Vestidos usam as nomenclaturas P, M, G e GG.
A PARTIR DO SEGUNDO SEMESTRE: Para as roupas femininas, as etiquetas incluirão estatura, medida ombro a ombro, busto, cintura e quadril.

 

 

Fonte: Cláudia Castelo Branco