Trocar de banco é opção para quem está endividado

Trocar de banco é opção para quem está endividado

Portabilidade de crédito é vantajosa para quem tem dívidas e busca juros mais baixos, mas clientes precisam estar atentos a taxas

 

Trocar de banco em busca de melhores condições de crédito é uma alternativa vantajosa, principalmente para quem já está endividado. Apesar disso, poucos correntistas optam pela portabilidade crédito, que, na prática, permite que um cliente com dívidas e empréstimos em um banco possa trocar o débito por outra linha de crédito com melhores prazos e condições de tarifas, em outra instituição financeira. Segundo levantamento do Banco Central, o volume transferido entre as instituições financeiras, em julho, foi de apenas R$ 247 milhões. Um valor ainda muito pequeno quando comparado ao total do saldo de crédito no sistema que, no mesmo período, era de R$ 1,8 trilhão.

Especialistas afirmam que a principal justificativa para os consumidores não aproveitarem mais os benefícios da portabilidade de crédito é a falta de informação e educação financeira. Sem conhecimento sobre a possibilidade de transferir dívidas e empréstimos, muitos brasileiros deixam de aproveitar esse recurso, que não permite, por exemplo, que os bancos cobrem tributação diferenciada, tarifa de transferência ou Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), exceto quando um valor adicional for liberado como empréstimo. Outra vantagem é que essa operação exige que a nova instituição faça um desconto proporcional de juros na dívida transferida sobre as parcelas que ainda não venceram.

Mas, embora seja vantajosa, a portabilidade de crédito exige atenção.O consumidor deve analisar com rigor as condições de crédito oferecidas pelo novo banco, sem ficar preso apenas às taxas de juros. “Muitas vezes uma proposta aparentemente vantajosa pode envolver cobranças adicionais como emissão de boleto e manutenção de conta que, muitas vezes, acabam não compensando o processo”, afirma Reginaldo Gonçalves, coordenador de ciências contábeis da faculdade Santa Marcelina.

Para evitar problemas como estes, os interessados na portabilidade de crédito devem negociar as condições de pagamento com a nova instituição financeira e não se intimidar com possíveis vendas casadas de serviços. “Após a negociação é importante pedir uma cópia do novo contrato e guardar o comprovante da quitação dos débitos. Isto é fundamental para que o consumidor garanta seus direitos e evite problemas futuros”, diz Renata Reis, especialista em defesa do consumidor do Procon-SP.

Na transferência dos débitos, muitos agentes bancários chamados “pastinhas” oferecem trocos para os clientes. Esta operação, entretanto, pode causar enganos e até aumentar o valor da dívida. “O que não se percebe, muitas vezes, é que o número de parcelas aumenta e com isso o débito fica maior. Por isso, o consumidor deve estar atento às propostas com valores superiores ao original”, afirma Renata. “A troca com troco é campeã de reclamações, seguida pela demora das instituições em fornecer o boleto de antecipação da dívida”, diz Renata. Segundo o BC, em julho deste ano foram registradas mais de 28,8 mil transações de portabilidade, com valor médio de R$ 8,5 mil cada.

 

Fonte:Bruna Bessi, iG São Paulo